Acessibilidade:
Login

  • SinalizeWeb14 anos
  • DivisãoCommtempla
  • EmpresaSW tecnologia.tech
  • Código deConduta
  • Entre emContato

Consultoria SEO

Consultoria SEO, documento de laudo técnico para implementalçai de correções e melhorias

Implementação SEO

Implementação SEO, um time de analistas e desenvolvedores, com foco em performance orgânica e Usabilidade

Análise de Impacto para Migração de Plataformas

Migração Assistida de Plataforma, sem perda de Tráfego Orgânico. Muito além de Redirect 301

Desenvolvimento web pautado em SEO

Desenvolvimento de sites e lojas e-commerce com premissas SEO OnPage

causas de Fracasso das Startup

Estudo aponta as principais causas de fracasso das startups

17 de Outubro de 2018
Por SinalizeWeb

Um estudo inédito do escritório Nogueira, Elias, Laskowski e Matias Advogados (NELM), envolvendo 108 startups brasileiras, apontou que 77% dos investidores consideram que riscos gerais do negócio são o maior empecilho para alocar recursos de investimento em startups.

O levantamento Panorama Legal das Startups mapeou 3 causas sobre fracasso das startups, confira:

  1. 1ª Causa de fracasso:
  • 67% dos empreendedores acreditam que a maior causa de fracasso das startups é o desentendimento entre sócios sobre questões não definidas em contrato.

Outras respostas que reforçam esse entendimento:

  • 54% dos investidores enfrentaram impasses societários com os fundadores.
  • 46% dos investidores dizem que o principal problema da startup foi a incompatibilidade com os fundadores na gestão da startup.

Conclusão:

Memorando de Entendimentos e Acordo de sócios são documentos importantes. É o acordo de sócios que irá estabelecer, por exemplo, quais as responsabilidades e atribuições de cada um dos fundadores, como se dará a administração da sociedade, quais os quóruns de deliberação, cláusulas que impeçam a concorrência (non compete) e o aliciamento de empregados etc.

Porém:

Apenas 46% (menos da metade dos empreendedores) responderam ter assinado acordo de sócios

  1. 2ª causa de fracasso:
  • 57% dos empreendedores acreditam que a dificuldade na captação de investimentos pela falta de conhecimento nas modalidades existentes foi a causa do fracasso da startup (2ª resposta mais assinalada)

Outras respostas que reforçam esse entendimento:

  • 46% dos investidores dizem que o desconhecimento das modalidades mais adequadas para o investimento em cada circunstância inibe seus investimentos em startups
  • Obs: para 77% dos investidores: riscos gerais do negócio são o maior receio, que inibe o investimento em startups
 

Modalidades tem características diversas, podem significar maior ou menor proteção ao investidor, maior ou menor ingerência deste na gestão da empresa. Por isso, é importante conhecê-las.

  • 54% dos investidores afirmaram ter sofrido com a falta de informações a respeito da melhor estrutura para realização de seus investimentos do ponto de vista societário
  • 38% dos investidores destacaram a necessidade de ter estruturado melhor o investimento do ponto de vista tributário, o que comprova a relevância desse tipo de planejamento

Conclusão:

Ampliar o grau de conhecimento sobre as modalidades de investimento existentes que possam garantir maior proteção aos investidores, ou o surgimento de novas formas de investimento que protejam o investidor, seriam formas de impulsionar a captação de recursos pelas startups, fomentando o crescimento do ecossistema.

  1. 3ª causa de fracasso:
  • 36% dos empreendedores consideraram que o startup não foi bem-sucedida devido a perdas em razão do desconhecimento de regulação e legislação específica aplicável à área de atuação do empreendimento (3ª alternativa mais assinalada)

Ao menos:

  • 46% dos empreendedores acreditam que a validação jurídica do modelo de negócio, considerando a legislação específica aplicável, justifica a contratação de assessoria jurídica.

Conclusão:

Necessidade de se atentar para as normas aplicáveis à atividade que a startup pretende desenvolver. O planejamento jurídico das Startups é necessário. É possível que a atividade esteja sujeita a autorização do poder público (até para iniciar suas atividades) ou fiscalização (saúde: Anvisa; Finanças: BACEN etc.)

Como explicado no guia “Empreendendo Direito”, também de autoria do NELM, há inúmeros aspectos legais que precisam ser levados em conta para o sucesso de uma startup. Muitas vezes, no entanto, empreendedores e investidores deixam de dar a devida atenção aos aspectos jurídicos, concentrando-se em outros – igualmente importantes – relacionados ao desenvolvimento de seus projetos. Com essa pesquisa, foi possível entender e mapear qual a dimensão e quais as consequências dessa realidade, por meio de questões práticas e das respostas dadas por empreendedores e investidores, com base em suas experiências.

O relatório com os resultados do levantamento – cujo download pode ser feito gratuitamente no site http://www.nelmadvogados.com/nelm-startup – apresenta também, para cada um dos temas abordados, possíveis formas de se prevenir os problemas enfrentados e dicas e conselhos baseados na experiência prática dos profissionais da área de Inovação e Startups do NELM, que podem contribuir para o sucesso dos negócios das startups.

Fonte: E-commerce News

Autor: Redação E-commerce News

Conheça melhor o cenário de tráfego do seu site

Receba a Opinião de um de Nossos Especialistas

Só mais algumas informações

Calculadora de

E-commerce

Defina sua meta de faturamento e com base num ROI estimado, saiba qual é o investimento ideal em marketing de performance para a sua estratégia de negócio online.

Assine agora nossa newsletter

Este site usa cookies apra garantir que você obtenha a malhor experiência em nosso site. Leia a Política de Privacidade